segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

O melhor ainda está por vir

Sou uma pessoinha de muita fé. Fé em Deus. Fé nas pessoas. Uma otimista de plantão. Às vezes um pouco ingênua e desprovida de orgulho. O que me leva, muitas vezes, a me expor mais do que o necessário. Não consigo ser diferente. Falo o que penso, o que sinto, o que acho. Não sei se essa fé toda é em mim, ou na certeza que tenho de uma justiça divina maior ou da 'coerência-final-de-todas-as-coisas'. Porque é claro que existe um sentido pra tudo que acontece na nossa vida, não é mesmo? E ainda que, de início, eu não entenda o objetivo da coisa, ou resista em aceitá-lo, mais dia, menos dia, tudo se esclarece. Tudo se resolve.
Minha oração de hoje: que eu nunca perca essa capacidade de amar, de ver, de sentir, de me jogar. Sabem por quê? Porque o melhor ainda está por vir. E eu quero estar pronta. Sempre pronta. Para dar o melhor de mim :)

quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

Retrospectiva 2010

Chegou o fim do ano. Época de reciclagem pessoal para traçar novas metas e objetivos para o novo ano que se aproxima. Tempo de reunir a família e amigos para juntos, confraternizar e dividir as conquistas e aprendizados desses MA-RA-VI-LHO-SOS 365 dias. Olhar para trás e perceber o quanto caminhamos e crescemos para chegar ao melhor de hoje. E mesmo que o espelho não diga [graças a Deus por isso], acho que cresci uma década em poucos meses. E isso eu devo à intensidade com que vivo cada momento, à profundidade que eu me jogo por tudo que eu acho que vale à pena. Porque não sei ser diferente. Odeio o raso, o superficial, o morno.
Como as coisas mudam, não é mesmo? Como a vida gira e nos surpreende. E quantas coisas mudaram em 1 ano na minha vida! Quantos planos [realizados ou não], quantas surpresas a vida trouxe, quantos sonhos apenas sonhados e outros vividos, quantas lições aprendidas, quanta felicidade, e até, quanta mágoa e tristeza superada [algumas ainda a superar - mas o ano ainda não acabou. Tem tempo ainda. hahaha]! Em um ano, o amor me escolheu. Uma, duas, talvez três vezes. Início, meio e fim, mas cada um com sua importância. Consegui crescer profissionalmente na CAIXA. Me desfiz de [alguns] medos. Dentista continua sendo o pior deles. E também de pessoas que já não me diziam nada. Perdoei pessoas que me fizeram mal. Muito mal! Me dediquei mais a mim mesma. Me alimentei melhor. Malhei com mais seriedade. Corri com mais frequência e com frequência cardíaca mais baixa. Melhorei o cabelo, cuidei mais da pele. Senti a dor da perda de um ente querido. Sofri! Comprei meu primeiro apartamento. Fiz investimentos financeiros em imóveis. Viajei quando precisei fugir. Viajei somente pra curtir. Arranquei o dente que me incomodava. Senti como é viver lisa. Deixar de fazer programas por falta de grana. Minhas prioridades mudaram. Tudo isso me fez alguém melhor e fortaleceu meu caráter. Esse ano eu me senti mais livre, mais feliz, mais intensa e inteira. Estou mais forte do que nunca. Agradeço à vida até pelas dores, pelos pés na bunda, porque até isso [tudo isso], me empurrou sempre pra frente.
Tenho comigo as melhores pessoas do mundo. Os melhores amigos, a melhor família que alguém poderia querer. As sobrinhas mais lindas e amadas. Agradeço a Deus por cada um deles, todo dia. Me sinto dona do meu nariz e das minhas escolhas. Responsável pelas minhas decisões. Porque a esta altura do campeonato, não há mais quem segure as pontas se algo der errado, porque dores são intransferíveis e frustrações não se derretem como algodão doce na boca. Estou mais segura de mim. Termino esse ano, e esse texto, tendo plena certeza de que sou senhora de mim. E que tudo é suportável e superável quando se aprende a sorrir. Que venha 2011!

sábado, 7 de agosto de 2010

Fórmula do amor?

- Menina, namora fulaninho!!!! Ele é tão gente boa, todos gostaram dele. Deixa de ser besta!!! Valoriza quem te valoriza! Rapaz honesto, trabalhador, bem intencionado, bonito...Tem coisa mais chata do que isso?!?! As pessoas têm que entender que o amor não é uma fórmula matemática. Não basta a pessoa ser boa pra você, simpática com seus amigos e parentes, ter o mesmo objetivo de vida, gostar das mesmas coisas. Uma coisa é certa: ninguém namora ninguém pelo simples fato desse alguém ser bonzinho e, se namorar, provavelmente não vai durar muito tempo, se essa bondade for a única coisa que os atrai. Não podemos negar que se for uma pessoa legal, já é meio caminho andado. E, com certeza, todas as afinidades só contribuirão para a solidificação do relacionamento. Os objetivos comuns exigirão menos gestos de adaptação, mas isso não é fator determinante não. Você tem que sentir algo mais, muito mais...algo do tipo: é a primeira pessoa que você pensa quando acorda e a última antes de dormir. Tem que ter vontade de encontrá-la, sonhar com seu sorriso, sentir falta do seu cheiro. Tudo isso é diferente e, singularmente bom, quando encontramos A pessoa. Aquela expectativa do encontro, a ânsia de saber sobre a vida dele e o que ele gosta de fazer, conhecer o seu dia-a-dia, suas manias, suas peculiaridades... Escutar as opiniões dos meus amigos e familiares é importante, pois eles querem sempre o meu bem. Mas a decisão final vai ser sempre minha, unicamente minha.

quarta-feira, 23 de junho de 2010

Peixe fora d'água

Eu estava lá. Invisível para a maioria dos olhos. Sabe aquela sensação de peixe fora d’água, de que não pertenço a este mundo e nem quero pertencer? Elas estavam lá, aos montes. Cabelos chapados e loiros, saltos altos, maquiagem pesada, unhas impecáveis, olhares vazios, mas sensuais, como se sofressem de um eterno apetite sexual. Como se qualquer presença masculina significasse investida. Carnes prontas para o abate. O sorriso é congelado e comedido. As penas, tornedas após horas de malhação diária. Na mão, sempre um copo de bebida alcólica. Se tem comida de graça? Sobra. Porque não querem correr o risco de perder o corpo esculpido e sarado. Se comem, vomitam. A bochecha vermelha não representa vergonha quando recebem cantada, mas exagero no blush. Permanecem a noite toda de um lado para o outro, com os olhos atentos a qualquer movimento. Nenhuma oportunidade pode ser perdida.
Eu ainda prefiro ser invisível, cantar baixinho, mesmo sem saber a letra direito. Tirar o sapato quando estiver incomodando. Viver fora da órbita traçada pelas centenas de habitantes com os quais tenho tido o desprazer de dividir o espaço. Não sei se sou eu que estou ficando velha e, consequentemente, ranzinza, ou se as pessoas estão, cada vez mais, perdendo a noção do ridículo.

sábado, 29 de maio de 2010

Em fase constante de melhoria

Às vezes morro de saudade de mim. Do tempo em que eu era mais assim e assado, mas isso e menos aquilo. Mas aí alguém pega a minha carteira de identidade e lembro do cabelo curto de maria-madalena-arrependida e das espinhas que acampavam no meu rosto. Ou o álbum do meu intercâmbio, onde eu esbanjava uma cinturinha de pilão de 5 Kg a mais do que hoje e uma sobrancelha despenteada inimiga da pinça. Do tempo que eu precisava economizar HORRORES para passar um fim de semana em Porto de Galinhas. De quando acabar uma relação era sinônimo de acabar a vida. E aí eu percebo que não existe momento melhor do que o presente. Pois cada ruguinha a mais no meu rosto me faz uma pessoa melhor, pra mim e para os outros.

quarta-feira, 7 de abril de 2010

Ócio

Dia desses, avaliando a produtividade da minha vida nas páginas em branco da minha agenda, cheguei a uma impressionante conclusão: faltam compromissos no meu dia-a-dia. Entra ano, sai ano, e minhas agendas continuam limpinhas, apesar da constante promessa, normalmente feita lá pra novembro de cada ano, que, no ano seguinte, minha vida será (seria) organizada. Já estamos em meados de abril e os únicos compromissos assumidos até agora foram 'academia' e 'massagem'. A verdade é que desde que me formei, em dezembro de 2004, tenho procurado a minha 'razão de ser'. Penso que me formei no curso errado, apesar de gostar de escrever. Meu trabalho não me satisfaz plenamente porque não tenho, como gestora, instrumentos necessários para atingir as metas que me são gentilmente impostas. Não comecei uma Pós-Graduação, porque não estou atrás de 'currículo', mas de experiência útil para o meu crescimento profissonal e pessoal. Não estudei línguas, porque já sei falar inglês, e até pouco tempo atrás, quando visitei à Argentina, achava que falar espanhol não era necessário. Pra quê espanhol se posso falar Portunhol? Engano o meu. A comunicação com los hermanos argentinos não foi fácil. Acho que nos últimos anos nunca tive tanto tempo de ócio. Além dos intermináveis 40 min de trânsito para chegar em casa do trabalho todos os dias; além dos domingos que eu acordei, sem ter o que fazer, e com preguiça de fazer qualquer coisa, tive todas as noites livres pra fazer o que bem entendesse. E agora, depois de tanto tempo, chegou a hora de me despedir um pouco do ócio e preencher a minha agenda, nem que seja para não esquecer a consulta ao ginecologista...

sexta-feira, 19 de fevereiro de 2010

Deixa a vida me levar

Diferente da maioria, meu ano não começou após o Carnaval. Começou com a primeira palpitação mais forte do meu coração. Começou quando o coração ameaçou saltar pela boca, quando começou a oscilar entre feliz e triste ao extremo. O que é bom, virou ótimo. O que é ruim, ficou pior do que péssimo. Porque ciclos foram fechados quando o ano terminou enquanto outros se abriram, sem que eu tivesse planejado nada. E ainda que a sensação do novo seja as vezes angustiante, o não-saber o que vem pela frente tem sido, por hora, excitante. Por enquanto, sigo caminhando para onde aponta o meu coração, sem abrir mão do que segura os meus pés firmes no chão.

À minha amiga Paty que passou o Carnaval comigo e ouviu algumas lamúrias.
Àquele que tem me proporcionado momentos especiais e que eu adoro cada dia mais.

sábado, 23 de janeiro de 2010

Bomba-relógio

As vezes sinto que tenho uma bomba-relógio nas mãos. O pessoal do meu trabalho costuma dizer isso. Ando cansada pra caramba, com sono, precisando de férias, de feriados prolongados, precisando dormir 24 horas seguidas. Muitas pendências no meu juízo que precisam ser resolvidas. Meu quarto está uma bagunça, meu armário nem se fala. Meu cabelo precisa ser cortado, minhas unhas precisam ser feitas, as comidas gordurosas precisam ser suspensas, palavras precisam ser ditas, ou escritas, ou esquecidas. Meu trabalho precisa ser revisto. Meus gastos, controlados. Minha academia, levada a sério. Minha família merece mais atenção. Ai ai ai...A única coisa que está em dia são os sonhos. Ahhhh, como são bons ;)